Esta é a mensagem

Os itens 16, 17 e 18 concluem o Capítulo XXIII – Estranha Moral, do Evangelho segundo o Espiritismo. Neste final, a Doutrina esclarece que Jesus já previa que guerras surgiriam em seu nome, devido à falta de compreensão do homem, ou vontade ou interesse em compreender. No entanto, trazemos aqui a verdadeira mensagem, dita desde o início de tudo.

Cruz_vazia

Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.”
(I João, 3:11.)

Em todo o mundo sentimos a enorme inquietação pode novas mensagens do Céu. Forças dinâmicas do pensamento insistem em receber modernas expressões de velhas verdades, ensaiando-se criações mentais diferentes. Notamos, porém, que a arte procura novas experimentações e se povoa de imagens negativas, que a política inventa ideologias e processos inéditos de governar e dilata o curso da guerra destruidora, que a ciência busca desferir vôos mais altos e institui teorias dissolventes da concórdia e do bem-estar. Continue reading

Share Button

Ouçamos atentos

Os itens 12 a 15 do Capítulo XXIII do Evangelho segundo o Espiritismo nos explica o que Jesus quis dizer ao mencionar que não havia vindo para trazer a paz, mas a divisão. Certamente, é devido à nossa incompreensão de seus ensinamentos, quando, mais por conveniência própria, optamos por impor nossa vontade sobre os mais fracos e aflitos.

Search_For_Life

Buscai primeiro o Reino de Deus e sua justiça.” – Jesus.
(Mateus, 6:33.)

Apesar de todos os esclarecimentos do Evangelho, os discípulos encontram dificuldade para equilibrarem, convenientemente, a bússola do coração. Continue reading

Share Button

A espada simbólica

Muito se discute de aparente contradição nas palavras de Jesus, ao dizer que não veio para trazer a paz, mas a espada, a divisão. Que espada é essa que Jesus vem trazer? A espada do esclarecimento do Evangelho, que nos traz à consciência a necessidade do trabalho de amor e caridade ao próximo, que, em muita das vezes, provoca a divisão entre os próprios familiares.

Crédito: Matt Robinson.

Não cuides que vim trazer a paz à Terra; não vim trazer a paz, mas a espada.” – Jesus.
(Mateus, 10:34.)

Inúmeros leitores do Evangelho perturbam-se ante essas afirmativas do Mestre Divino, porquanto o conceito de paz, entre os homens, desde muitos séculos foi visceralmente viciado. Na expressão comum, ter paz significa haver atingido garantias exteriores, dentro das quais possa o corpo vegetar sem cuidados, rodeando-se do homem de servidores, apodrecendo na ociosidade e ausentando-se dos movimentos da vida. Continue reading

Share Button

Acorda e ajuda

Morto está aquele que é ausente na vida: Evangelho segundo o Espiritismo, no capítulo XXIII, itens 7 e 8.

Segue-me e deixa aos mortos o cuidado de enterrar os seus mortos.” – Jesus.
(Mateus, 8:22.)

Jesus não recomendou ao aprendiz deixasse “aos cadáveres o cuidado de enterrar os cadáveres”, e sim conferisse “aos mortos o cuidado de enterrar os seus mortos”. Continue reading

Share Button

Renunciar

O estudo do Capítulo XXIII, itens 4 a 6, nos mostra a importância de renunciarmos as coisas da vida material em benefício daqueles proporcionadas pelo espiritual. No entanto, Jesus alerta de que forma esta renúncia deve se dar.

Crédito: Jack Fusco Photography.

E todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, mulher, filhos ou terras, por amor do meu nome, receberá cem vezes tanto e herdará a vida eterna.” – Jesus.
(Mateus, 19:29.)

Neste versículo do Evangelho de Mateus, o Mestre Divino nos induz ao dever de renunciar os bens do mundo para alcançar a vida eterna. Há necessidade, proclama o Messias, de abandonar pai, mãe, mulher, irmãos do mundo. No entanto, é necessário esclarecer como renunciar. Continue reading

Share Button

Discípulos

Para ser discípulo de Cristo, não basta repetir as frases e ensinamentos à população; é necessário que carregue sua cruz, no exercício de servidão ao próximo (Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo XXIII, itens 1 a 3).

Crédito: Gilad Mass.

E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo.” – Jesus.
(Lucas, 14:27.)

Os círculos cristãos de todos os matizes permanecem repletos de estudantes que se classificam no discipulado de Jesus, com inexcedível entusiasmo verbal, como se a ligação legítima com o Mestre estivesse circunscrita a problema de palavras. Continue reading

Share Button