Esta é a mensagem

Os itens 16, 17 e 18 concluem o Capítulo XXIII – Estranha Moral, do Evangelho segundo o Espiritismo. Neste final, a Doutrina esclarece que Jesus já previa que guerras surgiriam em seu nome, devido à falta de compreensão do homem, ou vontade ou interesse em compreender. No entanto, trazemos aqui a verdadeira mensagem, dita desde o início de tudo.

Cruz_vazia

Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros.”
(I João, 3:11.)

Em todo o mundo sentimos a enorme inquietação pode novas mensagens do Céu. Forças dinâmicas do pensamento insistem em receber modernas expressões de velhas verdades, ensaiando-se criações mentais diferentes. Notamos, porém, que a arte procura novas experimentações e se povoa de imagens negativas, que a política inventa ideologias e processos inéditos de governar e dilata o curso da guerra destruidora, que a ciência busca desferir vôos mais altos e institui teorias dissolventes da concórdia e do bem-estar.

Grandes facções religiosas efetuam trabalho heroico na demonstração da eternidade da vida, suplicando sinais espetaculares do reino invisível ao homem comum.

Convenhamos que haverá sempre benefício nas aspirações elevadas do espírito humano, quando sinceramente procura as vibrações de natureza divina; todavia, necessitamos reconhecer que se há inúmeras mensagens substanciosas, edificantes e iluminadas na Terra, a maior e mais preciosa de todas, desde o princípio da organização planetária, é aquela da solidariedade fraternal, no “amemo-nos uns aos outros”.

Esta é a recomendação primordial. Sentindo-a, cada discípulo pode examinar, nos círculos da luta diária, o índice de compreensão que já possui, acerca dos Desígnios Divinos.

Mesmo que esse ou aquele irmão ainda não a tenha entendido, inicia a execução do paternal conselho em ti mesmo.

Ama sempre. Faze todo bem. Começa estimando os que te não compreendem, convicto de que esses, mais depressa, te farão melhor.

Emmanuel (Espírito); [psicografado por] Francisco Cândido Xavier. Pão nosso. 29. ed. – 5ª reimpressão. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2012, Capítulo 95, páginas 205 e 206.

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *